Artigos

A Terapêutica

Conhecida a estrutura do Agregado Humano (corpos, personalidades múltiplas e subpersonalidades) fica bem mais fácil tratar os distúrbios dela decorrentes.

Jung dizia que: “O funcionamento da psique se baseia no princípio da oposição entre os elementos contrários. E que, a tarefa do homem no caminho de individuação é unir os opostos”. Evidentemente, que ao falar de elementos contrários está falando do “eus”, “personalidades múltiplas” e “subpersonalidades” antagônicas, que coexistem em constante conflito, passíveis de tratamento terapêutico eficiente, graças a visão e dedicação do Dr. Lacerda, que soube aproveitar grande parte do conhecimento existente sobre o assunto e transformar esse conhecimento na técnica apométrica, que deu origem a técnica do Desdobramento Múltiplo, que faculta a terapêutica das personalidades.

Não menos importante é o trabalho do espírito Joanna de Ângelis, que aprofundou estudos na área da psicologia transpessoal, ampliando as bases para uma terapêutica psicológica e psíquica de profundidade, principalmente a TVP (Terapia de Vida Passada), que hoje se encontra plenamente aceita e consolidada. O seu livro “O Homem Integral” representou um marco importante no desenvolvimento do psiquismo terapêutico, ao perceber e afirmar que é “nos alicerces do Inconsciente profundo encontram-se os extratos das memórias pretéritas, ditando comportamentos atuais, que somente uma análise regressiva consegue detectar, eliminando os conteúdos perturbadores, que respondem por várias alienações mentais.”

A Auto-obsessão

A Auto-obsessão é distúrbio grave e extremamente lesivo. É provocado e alimentado pelos elementos que compõem a consciência do próprio ser. Manifesta-se em forma de pessimismo, desconfiança, depressão, complexos, rebeldias, fugas (alheamento ou suicídio), apegos em vivências passadas, ódios, auto vampirismo, etc.

Síndrome da Eclosão Mediúnica

Denomina-se “Síndrome da Eclosão Mediúnica” o cortejo de sintomas que acompanha o despertar da mediunidade. Quando a pessoa traz mediunidade de cura ou de efeitos físicos, pela produção de ectoplasma que gera, esses sintomas se agravam acentuadamente.
Solução do problema: Assumir, educar e colocar a mediunidade a serviço do amor fraterno.

O Estímulo Desencadeador

As Personalidades Psíquicas acordam quando são ativadas por algum estímulo desencadeador qualquer, tanto no plano da consciência física ou espiritual, como através de um vício, uma vibração, uma imagem, um cheiro, um olhar, um tom de voz, um som, uma provocação, um ataque, um descontentamento, uma humilhação, um medo, um trauma, um apego, etc.

Muitas permanecem “hibernadas” por séculos até que algo as ative, ou então, a própria necessidade evolutiva da pessoa as despertará para que ressignifiquem seus conhecimentos e conteúdos.

Através de orientação podem se redirecionar ou se integrar ao bloco de “ego”. Ou então, diante de atitudes positivas da consciência física entram em colapso, anulando-se ou integrando-se às atividades progressivas da consciência física ou espiritual.

O Estudo do “Agregado Humano”, das “Personalidades” e “Subpersonalidades” e sua terapêutica, está perfeitamente inserta e de acordo com a proposta Kardequiana conforme é apresentada no “O Livro dos Médiuns”, Capítulo I, 2ª parte, página 72 da 51ª edição, FEB, onde trata da “Ação dos Espíritos sobre a Matéria”, quando diz: “somente faremos notar que no conhecimento do perispírito está a chave de inúmeros problemas até hoje insolúveis”. Por isso, o estudioso de mente aberta não precisa se preocupar com conceitos doutrinários que, às vezes, parecem estar em desacordo com os pressupostos apométricos, apenas porque as nomenclaturas divergem ou porque não são mencionadas na doutrina.

Os desdobramentos das “Personalidades Múltiplas” e das “Subpersonalidades” são as duas categorias de fenômenos que nos interessam de perto, terapeuticamente, por serem as maiores causas de distúrbios no campo psíquico e mental da pessoa.

Influências que causam

Personalidades Múltiplas e Subpersonalidades podem influenciar a personalidade física
de forma negativa ou positiva produzindo:

• Idéias confusas ou iluminadas.
• Pensamentos deturpados ou aformoseados.
• Desejos inferiores ou superiores.
• Sentimentos desalinhados ou alinhados.
• Vontade débil ou forte.
• Decisão frouxa ou determinada.
• Ação reativa ou ativa.
• Comportamento inadequado ou adequado.
• Aparência senil, infantil, doentia ou saudável.
• Atitudes incoerentes ou coerentes.
Etc.

Conforme Jung, “tudo isso se explica pelo fato de a chamada unidade da consciência ser mera ilusão. (…). Somos atrapalhados por esses pequenos demônios, os nossos complexos. Eles são grupos autônomos de associações, com tendência de movimento próprio, de viverem sua vida independentemente de nossa intenção. Continuo afirmando que o nosso inconsciente pessoal e o inconsciente coletivo constituem um indefinido, porque desconhecido, número de complexos ou de personalidades fragmentárias.” (Jung, Carl Gustav, Fundamentos de Psicologia Analítica.Editora Vozes, 4ºed. páginas 67 e 68).

Algumas aplicações da terapêutica
do Desdobramento Múltiplo e da Apometria:

O nosso modelo terapêutico trata os sintomas, distúrbios, doenças e comportamentos negativos alternantes ou permanentes. Parte do princípio de que a gênese das sintomatologias estão na dissociação de consciência ou de personalidade, nos distúrbios de ordem espiritual, mediúnico, comportamental e anímico. Seus fundamentos tem base na psicologia, na psiquiatria e na Doutrina Espírita, (“Distúrbio das Personalidades Múltiplas” ou Distúrbio Dissociativo de Identidade, na descrição da Doutrina Espírita sobre a Obsessão e a Auto-obsessão, e também nos estudos sobre Constelação Familiar).

A Captação Psíquica e a Incorporação na mesa mediúnica revelam que o DPM constitui-se numa multiplicidade de elementos autônomos atuando desarmonicamente no campo psíquico dos indivíduos. Tais elementos psíquicos podem ser dissociados da própria pessoa, de familiares inconscientes em ação lesiva, de terceiros e a da participação direta ou indireta de espíritos.

Quando a pessoa afetada compreende sua situação e conscientemente deseja o tratamento, e quando outras pessoas em atitude fraterna desejam auxiliar aqueles que sofrem desse tipo de distúrbio, o interior mais profundo da pessoa ou das pessoas afetadas pode ser acessado e tratado. Desse modo, nosso modelo terapêutico permite encontrar caminhos para a compreensão, acesso, explicação e tratamento para muitos distúrbios e traumas psíquicos de difícil entendimento e de diagnóstico obscuro tais como medos, pânicos, depressões, esquizofrenias, retardos, autismos, doenças autoimunes, etc.

A existência desses múltiplos elementos psíquicos remontam de muitas culturas sem serem relacionados a distúrbios mentais. Assim, para o paradigma reencarnacionista, a denominação DMP (distúrbio das múltiplas personalidades), como estava no DSM–III, é muito mais adequada.

O DDI (distúrbio dissociativo da identidade), interpretado como distúrbio mental, tornou-se diagnóstico oficial da Associação Psiquiátrica Americana em 1980 (DSM-IV). A visão não reencarnacionista não pode admitir o conceito de personalidades múltiplas, dado que, dentro do paradigma materialista, a pessoa nasce com uma só personalidade.

O “Eu” Cósmico ou Quântico é único e indivisível, é o fulcro da consciência espiritual.

Porém, esse “Eu” é constituído e orbitado por personalidades psíquicas, pequenos “eus”, fulcros menores, estereótipos de cada personalidade vivida, que se manifestam em expressões diferentes de auto-realização (personalidade, personalidades múltiplas e subpersonalidades).

Quando em desarmonia, precisa tratamento adequado, fazendo com que esses elementos desarmônicos vibrem em consonância com seu centro unificador.

Necessário também, orientação e conscientização adequada ao atendido, para que mude sua maneira de ser, e também aos familiares.

Os procedimentos terapêuticos

O conjunto de procedimentos terapêuticos utilizados na Apometria e no Desdobramento Múltiplo é constituído dos seguintes itens: tratamento dos corpos sutis (tratamento vibracional, através da irradiação mental, nas cores que o irradiador mais gostar, já que os corpos não são passíveis de incorporação, somente de sintonia) e o tratamento dos elementos psíquicos ou anímicos dissociados que gravitam em torno do “eu transitório” ou “ego” (composto de duas partes distintas: a primeira parte é o momento em que se deve receber e ouvir o recém chegado (pessoa, espírito ou personalidade psíquica) buscando entender o seu problema, dificuldade ou motivação. É o momento da captação ou incorporação, da acolhida ou contenção, do depoimento (audiência ou audição). A segunda parte é o momento do tratamento que é composto de esclarecimento, doutrinação ou conscientização, regressão e progressão, hipnose ou despolarização de estímulos de memória, cromoterapia e reconfiguração, orientação e encaminhamento.
Sem dúvida nenhuma, o desenvolvimento da terapêutica apométrica por Dr. José Lacerda de Azevedo representou o grande marco para a retomada dos estudos, pesquisas e experimentações sobre o psiquismo humano. Foi a partir do trabalho fraterno e inteligente do Dr. Lacerda que pudemos desenvolver uma maior compreensão sobre as propriedades do Agregado Perispiritual (corpos sutis) e também sobre os distúrbios dissociativos de consciência (DDI e TMP) e as propriedades das personalidades psíquicas (Personalidades Múltiplas e Subpersonalidades), velhos conhecidos das Doutrinas Secretas, da Doutrina Espírita, da Psicologia e da Psiquiatria.

A terapêutica do Desdobramento Múltiplo trata com eficiência:

• Distúrbios do comportamento (TOC);
• distúrbios do sono (insônia);
• distúrbios espirituais (obsessões diversas);
• distúrbios Anímicos (auto-obsessão);
• vícios e dependências químicas (dipsomania, tabagismo, etc) e síndromes raras
(autismo, retardo mental, acromegalia, etc).

Destina-se ao tratamento de distúrbios de ordem pessoal, interpessoal, transpessoal, psíquica, espiritual, anímica, personímica e física.

É, ainda, ferramenta empregada para tratar portadores de doenças genéticas de difícil resposta à terapêutica médica ou consideradas incuráveis, e útil como recurso e conhecimento auxiliar das demais técnicas terapêuticas.

Dessa forma, a terapêutica do Desdobramento Múltiplo atende aos pressupostos terapêuticos vislumbrados por Jung quando afirmou que “o funcionamento da psique baseia-se no princípio da oposição entre os elementos contrários (personalidades antagônicas). E que, a tarefa do homem no caminho de individuação é unir os opostos”.

Desobsessão com Desdobramento Múltiplo

Os atendimentos com a técnica do Desdobramento Múltiplo devem ser realizados da seguinte forma:
Atendimento com a presença do cliente; não priorizar o livre-arbítrio do obsessor; remover implantes astralinos; reconstruir o Modelo Biológico nos casos de deficiências, facilitando a recuperação nos casos de cirurgias reparadoras; proporcionar a possibilidade de incorporações múltiplas e simultâneas; tratar dependências químicas, vícios em geral e doenças de etiologia obscura; acessar e tratar corpos, níveis e subníveis afetados, causadores de distúrbios no campo físico; tratar simbioses na obsessão compartilhada; tratar cordões entre níveis e chacras; resgatar personalidades no astral inferior; rastrear, localizar e destruir trabalhos de magia; alinhar polaridades invertidas; tratar e encaminhar Personalidades Múltiplas e Subpersonalidades.

O número de atendimentos e a eficácia do tratamento dependem:

• de cada caso;
• da condição encarnatória, da razão do existir do paciente;
• do amparo espiritual, merecimento, esforço, dedicação e seriedade com que o paciente conduz o tratamento.
• da capacitação, empenho, harmonia, equilíbrio e amor fraterno do grupo atendente;
• do empenho do paciente em fazer sua reforma íntima e seguir as orientações dadas;
• da colaboração do grupo familiar e da necessidade de aprendizado de cada uma das partes interessadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *